segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014

VOLEIBOL

História do Voleibol

O Voleibol foi criado em 1895, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holioke, no Estado de Massachussets, nos Estados Unidas da América, ao qual se denominou inicialmente por “Minonette”.
Procurando criar uma nova actividade que fosse suave e motivante, ao contrário do fatigante e competitivo basquetebol, que se pudesse praticar no Inverno e que não colocasse tantos problemas de material e de ocupação como o ténis. Assim, William Morgan, tentou criar uma actividade de carácter mais recreativo, que se adaptasse aos seus alunos e aos homens de negócios que frequentavam os seus cursos e que simultaneamente exigisse um grande esforço e uma movimentação variada.
Com base no ténis, permaneceu na sua ideia uma rede a dividir o espaço de jogo, ao mesmo tempo que o jogo deveria ser jogado num recinto rectangular, entre duas equipas separadas por uma rede, mantendo uma bola em movimento, até que esta tocasse no solo, ou fosse batida para além dos limites do campo.
O número de jogadores não era limitado só tinha de ser igual para ambas equipas. Para que todos jogadores pudessem servir, já se usava o sistema de rotação.
Era pois, um jogo que poderia ser jogado em recintos cobertos ou ao ar livre, por um qualquer número de jogadores, que não precisavam de material para bater a bola, pois poderiam fazê-lo com as próprias mãos. A dificuldade estava em arranjar uma bola de grandes dimensões e de pouco peso, que se adaptasse ao tipo de jogo que se havia idealizado.
Como a bola de basquetebol era muito pesada, começou por se usar a sua câmara, o que também se tornava demasiado leve, por isso a firma A. G. Spalding & Brothers. conseguiu satisfazer o Prof. Morgan, criando uma bola idêntica à dos tempo actuais.
A primeira demonstração pública deste jogo, foi realizada em 1896 no Colégio de Sprindfield, durante uma conferência de directores de Educação Física do YMCA (Young Man Christian Association). Morgan, apresentou duas equipas formadas por cinco jogadores, num campo de 15,35 m de comprimento, por 7,625 m de largura e com a rede colocada a uma altura de 1,98 m.
Durante a exibição o Prof. Alfred Halstead sugeriu a mudança de nome para “Volleyball” que na sua opinião era mais adaptada ao jogo e com a qual Morgan concordou.
Estavam assim lançadas as bases de um jogo que sofrendo variadas e profundas alterações, em breve se iria expandir e popularizar por todo mundo. Entre 1897 e 1900 expandiu-se consideravelmente. Durante 1912 e 1913, as regras foram revistas, tendo-se criado algumas regras básicas que hoje perduram. Durante as duas grandes guerras, os soldados americanos, ao praticarem nas horas vagas essa nova modalidade contribuíram para a divulgação do Voleibol quer na Ásia quer na Europa. No nosso país, o Voleibol, começou a ser jogado em 1914 durante a 1ª Guerra Mundial, aquando da estadia dos soldados Americanos nos Açores.
Como modalidade Olímpica este jogo apareceu em 1964 nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão.
Nos nossos dias, o Voleibol, ultrapassou limites e ocupa espaços abertos, aparecendo, como alternativa o Voleibol de Praia. Esta nova variante é um fenómeno que se tem vindo a expandir, chegando mesmo a alcançar o estatuto de modalidade Olímpica.
Caracterização do Voleibol

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é enviar a bola por cima da rede, fazendo-a cair no campo adversário e evitando que ela caia no nosso próprio campo.
Cada equipa é constituída por doze jogadores, sendo seis efectivos e seis suplentes.
O campo rectangular (18 metros x 9 metros), delimitado por duas linhas laterais e duas finais e dividido ao meio por uma rede. A rede deve estar colocada a 2,24m para os femininos e a 2,43 para os masculinos.
O Voleibol tem duas características que o diferenciam de todos os outros jogos desportivos colectivos:
· A bola não pode bater no chão;
· A bola não pode ser agarrada.
Cada equipa só pode dar, no máximo, três toques na bola para impedir que ela toque o solo do seu próprio campo e para a enviar para o espaço do adversário.
Um jogador não pode tocar na bola duas vezes consecutivas.
A bola é colocada em jogo através do serviço: o jogador que efectua o serviço bate a bola de forma a enviá-la por cima da rede para o campo contrário. A jogada termina quando a bola toca no solo, quando é enviada para fora ou quando uma das equipas não a consegue devolver correctamente.
Em cada jogada correcta ganha-se um ponto. Se a equipa que recebe o serviço ganhar a jogada, marca um ponto, tem direito a servir e os seus jogadores efectuam uma rotação, deslocando-se uma posição, no sentido dos ponteiros do relógio, para ser sempre um jogador diferente a executar o serviço.
Um jogo de voleibol é disputado num máximo de 5 “sets”, sendo a equipa vencedora a que primeiro ganhar três deles.
Um “set” termina aos 25 pontos, desde que uma das equipas possua uma vantagem de pelo menos 2 pontos; caso contrário, o “set” prolonga-se até que essa vantagem seja alcançada.
No quinto “set”, o limite é de 15 pontos, desde que haja diferença de pelo menos 2 pontos; caso contrário, o jogo prolonga-se até que se verifique essa diferença.
A equipa de arbitragem é constituída por dois árbitros, um marcador e 2 ou 4 juízes de linha. Um árbitro colocado à altura da rede e no prolongamento desta, o outro no lado oposto mas ao nível dos jogadores.
REGRAS FUNDAMENTAIS

Equipas
Uma equipa é composta por 12 jogadores no máximo, estando 6 em campo e os restantes 6 são suplentes.

Posição dos Jogadores As posições dos jogadores são numeradas da forma como se indica na figura ao lado.
No momento em que a bola é colocada em jogo (no serviço), os jogadores de cada equipa devem ocupar as suas posições.

Rotação dos Jogadores
Quando uma equipa ganha o direito ao serviço, os jogadores efectuam uma rotação, deslocando-se uma posição, no sentido dos ponteiros do relógio.

Substituição dos Jogadores
São autorizadas, no máximo, seis substituições por equipa e por “set”. Podem ser efectuadas separadamente ou em simultâneo.

Início do Jogo e das Jogadas
O jogo e todas as jogadas começam com o serviço, realizado por um jogador posicionado atrás da linha final do seu campo.
Um serviço não é válido se não passar por cima da rede para o campo contrário ou se cair fora dos limites do campo.

Jogar a Bola
Cada equipa tem direito a um máximo de 3 toques antes de enviar a bola para o meio campo adversário.
Um jogador não pode tocar duas vezes consecutivas na bola.
Dois (ou três) jogadores podem tocar a bola simultaneamente, sendo contados dois (ou três) toques.
A bola pode ser tocada com qualquer parte do corpo. A bola deve ser batida, sem ser agarrada e/ou lançada.

Passagem da bola pela Rede
A bola tem de passar sempre por cima da rede.
A bola, ao passar a rede, pode tocar nela (incluindo no serviço).
A bola enviada para a rede pode ser recuperada, dentro do limite dos 3 toques.

Toque do Jogador na RedeO toque do jogador na rede é considerado falta, sempre que interfira com o decorrer da jogada.

Bola “Dentro” e Bola “Fora” A bola é “dentro” quando toca o solo do terreno de jogo, incluindo as suas linhas de delimitação.
A bola é “fora” quando:
· Toca o solo fora das linhas;
· Toca um objecto fora do terreno, o tecto ou alguém exterior ao jogo;
· Passa por baixo da rede ou pelas suas partes laterais.

Ganhar um Ponto
Sempre que a bola toque no solo do campo contrário, ou a equipa adversária envia a bola para fora ou comete uma falta:
· Se a tua equipa estava de posse do serviço, marca 1 ponto e continua a servir;
· Se não tinha a posse do serviço marca 1 ponto e ganha o direito a servir.

Ganhar um “Set”
Um “set” (excepto o “set” decisivo) é ganho pela equipa que faz primeiro 25 pontos, com uma diferença mínima de 2 pontos. No caso de igualdade a 24 pontos, o jogo continua até haver uma diferença de 2 pontos (26-24; 27-25; etc.).

Ganhar o Jogo
Um jogo é ganho pela equipa que vencer 3 “sets”.
No caso de uma igualdade a “sets” 2-2, o “set” decisivo é jogado até aos 15 pontos, terminando também quando se registar uma diferença mínima de 2 pontos.


TÉCNICAS BÁSICAS

Posição-base
É a atitude que permite aos jogadores deslocarem-se rapidamente em função da trajectória da bola. Caracteriza-se por:
· Olhar dirigido para a bola;
· Esperar pela bola com as pernas semiflectidas e os braços à frente do corpo.


Serviço Consiste em bater a bola com uma das mãos, enviando-a por cima da rede para o campo adversário.
Existem fundamentalmente 2 técnicas de serviço:
· Serviço por baixo;
· Serviço por cima.
Princípios Básicos de Execução do Serviço por baixo:
· O pé mais avançado é contrário ao braço de batimento;
· A bola é colocada sensivelmente ao nível do joelho, à frente do braço de batimento;
· O braço de batimento deve manter-se em extensão durante o movimento de trás para a frente.

Passe Consiste em tocar a bola com as duas mãos, quando esta está em trajectória alta (acima da cabeça). Existem dois tipos de passe:
· Passe a duas mãos;
· Passe de costas.
Princípios Básicos de Execução do Passe:
· Pernas semiflectidas e corpo equilibrado, com pés à largura dos ombros;
· Mãos abertas, dedos afastados, com os polegares orientados para o rosto;
· No momento do contacto com a bola, o corpo deve realizar um movimento global de extensão.

Manchete É o gesto técnico utilizado quando a bola traz uma trajectória baixa (abaixo da linha dos ombros).
Princípios Básicos de Execução da Manchete:
· Pernas semiflectidas e afastadas;
· Corpo inclinado à frente, com o plano dos ombros ligeiramente avançado com o plano dos joelhos;
· O ponto de contacto com a bola são os antebraços, estando os braços em completa extensão.
· Após o contacto com a bola, deve seguir-se um movimento de extensão de todo o corpo.


Remate É a fase final de uma jogada de ataque ao adversário. A bola é batida com uma mão por cima da rede. Existem dois tipos de remate:
· Em apoio;
· Em suspensão (em salto).
Princípios Básicos de Execução do Remate:
· Elevação dos dois braços (um aponta, o outro bate na bola);
· O braço está em extensão e a bola é batida no ponto mais alto possível;
· O batimento é feito com a mão aberta.

A TÁCTICA NO JOGO DE VOLEIBOL
No nível de iniciação, os princípios tácticos que se devem ter em conta para obter o maior êxito possível em jogo, são:
· Os jogadores devem concentrar-se o máximo possível na trajectória da bola e nos movimentos dos adversários que entram em contacto directo com a bola, de forma a conseguirem ter a percepção do que vai acontecer;
· Tentar sempre tirar o maior partido do número de toques (três) permitido em cada jogada;
· O jogador que finaliza uma jogada, deve, imediatamente antes, observar rapidamente a posição dos adversários e enviar a bola para a zona que se encontra mais desprotegida.


Verifica os teus conhecimentos respondendo às seguintes questões:
1- Quem foi o criador do Voleibol? Em que país?
2- Qual foi a modalidade em que se baseou o voleibol?
3- Qual é o objetivo de um jogo de voleibol?
4- Como são costituídas as equipas de Voleibol?
5 - Quantas substituições pode fazer uma equipa em cada "set"?
6 - Quantos "sets" é necessário vencer para ganhar um jogo?
7- Indica o número máximo de toques que uma equipa pode dar em cada jogada.
8 - Como é constituída a equipa de arbitragem?
9 - Como se inicia um jogo de Voleibol?
10 - Na "manchete" com que parte do corpo se deve jogar a bola?
11 - Descreve os principios básicos de execução do serviço por baixo.
12 - Indica os princípios básicos de execução do passe de frente.
13- Menciona os princípios básicos de execução da receção em "manchete".
14- Em que posição se encontra o jogador que efetua o "serviço"?
15- Qual é o tempo de duração de um jogo de Voleibol?
16- Ao fim de quantos pontos termina um "set"?
17- Quando é que os jogadores de uma equipa fazem "rotação"?
18- Quando é que é aconselhado a utilização da "manchete"?
19- Indica três situações em que uma equipa perde a posse da bola.
20- Refere três situações em que o árbitro deve assinalar falta.

Sem comentários: